NOTÍCIAS


TCDF pede desconto de R$ 3,7 mil da aposentadoria de Durval Barbosa


O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) pediu à Polícia Civil (PCDF) que desconte R$ 3,7 mil da aposentadoria de Durval Barbosa. Delator da Caixa de Pandora, o ex-policial civil teve o benefício cassado em 2021, mas reestabelecido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta semana.

A determinação, proferida nesta quarta-feira (21/2), diz respeito a processos relacionados ao Instituto Candango de Solidariedade (ICS).

A Corte analisou a prestação de contas referente ao contrato de gestão celebrado entre a Companhia de Planejamento do Distrito Federal e o extinto ICS para a realização de parcerias voltadas ao fomento e à execução de atividades relacionadas ao desenvolvimento tecnológico e institucional.

Em decisões anteriores, o TCDF considerou as contas irregulares e condenou 18 pessoas, entre elas Durval Barbosa, a ressarcirem R$ 32,6 milhões. Nesta quarta, o Tribunal considerou que “todas as providências foram tomadas para a cobrança do débito” dos citados no processo.

Porém, julgou necessário o desconto na folha de pagamento de Durval Barbosa e, por isso, encaminhou o ofício à PCDF.

Aposentadoria

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, nesta terça-feira (20/2), devolver o direito à aposentadoria a Durval Barbosa.

Na decisão, o STJ entendeu que o Judiciário não pode estender as sanções aplicadas em sentenças transitadas em julgado. No caso de Durval, ele foi condenado à perda do cargo público quando foi julgado por improbidade administrativa.

A Corte entendeu que é a conversão da sanção imposta ao delator para a cassação da aposentadoria é indevida.

Quem é Durval

Durval Barbosa foi o delator do maior esquema de corrupção do DF, a Caixa de Pandora. Ele era o operador dos pedidos de pagamento de propina a empresas de informática e a deputados distritais.

O termo preliminar da colaboração premiada de Durval foi assinado pela subprocuradora-geral da República Raquel Dodge, que viria a ser a chefe da Procuradoria-Geral da República entre 2017 e 2019.

Formado em economia e direito, o piauiense Durval Barbosa foi delegado da Polícia Civil do Distrito Federal. O TCDF e a Justiça determinaram a cassação do provento de Durval, mas, em função do acordo de delação premiada, ele conseguiu manter a remuneração.

Entre os anos 1990 e 2000, Durval migrou da carreira policial para a política e passou a ter acesso a recursos milionários. Em 1999, foi nomeado presidente da Codeplan, onde permaneceu até 2006. O orçamento médio por ano da estatal era de R$ 500 milhões, boa parte consumida por contratos com empresas de informática.

Na Codeplan, Durval iniciou parte das gravações de políticos e empresários fazendo acordos para o pagamento de propina. Ora para financiamento da campanha do ex-governador José Roberto Arruda, ora para compra de apoio político, embora oficialmente tenha pedido votos, em 2006, para a então candidata do ex-governador Joaquim Roriz ao Palácio do Buriti, Maria de Lourdes Abadia, à época filiada ao PSDB.



Fonte: Metrópoles


21/02/2024 – Paraiso FM

COMPARTILHE

SEGUE A @PARAISOFM897

(35) 3531-8007

[email protected]
Avenida Zezé Amaral, 1128 – Vila Ipê.  Cep: 37950000 – São Sebastião do Paraíso – MG      WhatsApp ouvinte: (35) 99910-6677

NO AR:
AO VIVO - PARAISO FM