NOTÍCIAS


Ex-parceiro de cela de Daniel Alves entrega plano de fuga ao Brasil


Daniel Alves segue preso, acusado de estuprar uma jovem de 23 anos em uma casa noturna de Barcelona, e ainda não teve o veredito sobre o seu caso definido. Entretanto, um ex-companheiro de cela do jogador entregou que ele pretendia fugir para o Brasil caso recebesse liberdade condicional.

“Se lhe concederem a liberdade provisória até o julgamento, ele vai para o Brasil de certeza”, declarou o rapaz, que terá sua identidade revelada ainda neste final de semana, em declaração ao TardeAR, programa de televisão português.

0

Daniel Alves prestou depoimento sobre o suposto crime no último dia 7 de fevereiro. Este é o terceiro dia de audiência do caso, julgado pelo Tribunal Superior de Justiça da Catalunha.

O jogador brasileiro chorou durante o depoimento e relatou bebedeira no dia do suposto estupro em uma boate. “Pedimos cinco (garrafas) de vinho, um uísque e um saquê. (Tomei) mais ou menos uma e meia ou duas garrafas de vinho, e um copo de uísque”, declarou o atleta, no início da oitiva.

Conforme relatou a imprensa espanhola, Alves alterou o seu depoimento pela quinta vez e, agora, alega abuso de bebidas alcoólicas no dia em que o crime teria acontecido.

Na Espanha, o consumo exagerado de álcool é um atenuante que pode reduzir a pena do crime pela metade.

Em seguida, o jogador negou, novamente, que tenha forçado a denunciante a praticar relações sexuais. “Ela estava na minha frente e começamos a relação. Lembro que ela sentou em mim. Não sou um homem violento. Não a forcei a praticar sexo oral forçadamente”, relatou Daniel Alves.

O réu foi ouvido após o depoimento da vítima e de todas as testemunhas citadas no processo. Nesta quarta-feira (7/2), médicos e psicólogos forenses também foram ouvidos no tribunal.

Primeiro dia de julgamento

O julgamento do brasileiro começou na segunda-feira (5/2), dia em que a vítima prestou depoimento e reafirmou ter sido estuprada por Daniel Alves. Ela falou durante 1h15 e contou detalhes da noite e do momento em que afirmou ter sido abusada sexualmente.

Além da jovem espanhola, outras cinco testemunhas falaram ao tribunal na primeira sessão de julgamento; dentre elas, a amiga e a prima da suposta vítima, que acompanhavam a mulher no dia do ocorrido.

Segunda sessão

O segundo dia de julgamento contou com o depoimento de 22 testemunhas, incluindo funcionários da boate, amigos de Daniel Alves e a esposa do jogador, Joana Sanz.

Em depoimento alinhado com a defesa do atleta, Joana Sanz afirmou que, após a noitada, o marido chegou à residência da família completamente embriagado.

A terceira e última sessão de julgamento ainda está em andamento e seguiu para as considerações finais da promotoria após o fim da declaração do jogador.



Fonte: Metrópoles


18/02/2024 – Paraiso FM

COMPARTILHE

SEGUE A @PARAISOFM897

(35) 3531-8007

[email protected]
Avenida Zezé Amaral, 1128 – Vila Ipê.  Cep: 37950000 – São Sebastião do Paraíso – MG      WhatsApp ouvinte: (35) 99910-6677

NO AR:
- PARAISO FM